PSICOTERAPIA PSICODRAMÁTICA COM CRIANÇA

         A prática da psicoterapia infantil é conduzida no intuito de reduzir as dificuldades presentes na criança e em seus familiares, proporcionando uma melhor qualidade de vida e do convívio familiar.

         Na maioria dos casos, a procura de um atendimento psicológico infantil ocorre por encaminhamento da escola ou médicos, quando se constata que a criança começa a apresentar comportamentos não usuais, como, por exemplo: agressividade, dificuldade de aprendizagem, dificuldade de relacionamento, entre outros. A procura pode partir também dos próprios pais ou familiares, seja pela percepção de comportamentos específicos como, por exemplo: desobediência, dificuldade em interagir com outras crianças, birras excessivas, roubo, agressividade ou por acontecimentos novos na família como mudança de escola, separação dos pais, nascimento de irmão, dentre outros.

         Estas situações citadas acima podem influenciar na saúde psicológica e no comportamento da criança, sendo necessária a ajuda de um profissional. A partir de suas necessidades particulares a criança sente-se acolhida pelo terapeuta sendo permitindo-a que seja ouvida, podendo expressar e comunicar seus sentimentos e pensamentos.

         A abordagem psicodramática colabora com as crianças na superação das dificuldades vivenciadas no seu desenvolvimento emocional, através daquilo que lhe é mais característico: a brincadeira e a imaginação. É através de brincadeiras, histórias, jogos, entre outras vivências lúdicas, que as crianças aprendem a lidar com o mundo, tentando entendê-lo, transformá-lo e assimilá-lo. Permite também ao terapeuta entrar em contato com o universo particular da criança e criar um ambiente adequado à sua idade, possibilitando a expressão de seus pensamentos, sentimentos e comportamentos.


         Fora do clima de tensão que a vida real apresenta, a criança no psicodrama, pode reviver situações, pois na abordagem psicodramática ela passa a testar novas maneiras de reagir e de se comportar em ocasiões diversas. Com o exercitar das dramatizações acontece a facilitação da percepção do outro e do mundo a sua volta, sendo basicamente um treino na representação de papéis. Sendo assim, a criança entenderá o outro e conseguirá reagir adequadamente a este, colocando-se no seu papel, considerando suas opiniões e sentimentos.

         Durante a psicoterapia infantil, a participação dos pais é fundamental, pois a problemática da criança reflete, necessariamente, alguma dificuldade no vínculo familiar.Com isto, avaliamos os papéis paterno e materno com o objetivo, não só de desenvolvê-los, como também de facilitar a existência de novos, já que o indivíduo, ao desbloquear-se com relação a um papel, revê suas disposições pessoais.

         O atendimento terapêutico com a criança e seus familiares propiciam um processo de mudança comportamental, que se inicia no consultório e posteriormente se generaliza para os ambientes naturais que a criança está inserida.