“ALIANÇA DE AMOR”

Aprendemos, culturalmente com nossos pais e familiares, amar o outro conforme nos foi ensinado, e ao encontrarmos a pessoa que decidimos compartilhar toda uma vida, nos deparamos com a ansiedade e dificuldade de como será a vida matrimonial, tendo em vista os pais como referencial durante todos os anos de convivência.

 

Depois de casados estes papéis invertem-se. Deixamos de atuar como filhos e passaremos a ser cônjuges, desfrutando tanto dos prazeres e alegrias quanto dos conflitos que surgirão na convivência matrimonial.

 

Vivenciar o matrimônio é lidar com muitos papéis além do de noiva e noivo, os quais por muitos meses atuam como protagonistas. Esta nova fase pode deixar os noivos sem apoio para lidar com tantas demandas e inúmeras conciliações de interesses, desejos e expectativas, que se não forem bem trabalhadas entre o casal poderá levá-los a um prematuro desgaste afetivo.

 

Para evitar tais desgastes prematuros, é importante que haja um elo de fortalecimento do vínculo conjugal de modo a reduzir o nível de ansiedade dos noivos, aumentar-lhes a autoconfiança, alimentar-lhes a ALIANÇA DE AMOR existente e deixá-los confortáveis não somente para o casamento como também para o novo mundo que passarão a conhecer juntos.

 

Numa sociedade tão dinâmica quanto a atual e que exige cada vez mais de cada pessoa, às vezes, a relação matrimonial fica em segundo plano, o que tem sido uma das principais causas de separação atual. Assim, vemos a importância de oferecer subsídios para os noivos vivenciarem o momento do matrimônio de forma emocionalmente equilibrada e com baixo nível de ansiedade, além de fortalecer a estrutura familiar que está sendo formada. O resgate e a manutenção dos valores familiares nesse sentido são imprescindíveis para uma boa união conjugal.

 

Nos permitimos vivenciar novos relacionamentos no contexto amoroso, para acabar um pouco com a solidão, multiplicar nosso bem estar, construir famílias, ter filhos e nos permitir ter um relacionamento mais íntimo.


A vida a dois nos mostra a necessidade de crescer e lidar com nossas próprias dificuldades e com o egocentrismo, tendo como apoio a ajuda de um(a) companheiro(a).

 

Somos seres “ensináveis”, e aprendemos a fazer aquilo que é mais importante em um relacionamento, AMAR. O caminhar desta vida a dois nos proporciona vivenciar um amor incondicional com a outra pessoa. Isto é algo maravilhoso e muito difícil, permitindo-lhe vivenciar uma mudança de vida, para melhor.


A vida a dois faz você pensar de maneira diferente, você precisará em alguns momentos tomar decisões e fazer escolhas em parceria com seu(a) companheiro(a), para aquilo que será melhor ao longo da caminhada. Esta é a chave para relacionamentos permanentes e recompensadores.


Ele não busca só os seus interesses, é sofredor e transformador. E quando você demonstra este amor verdadeiramente, como foi planejado para ser, o relacionamento tem grandes chances de mudar para melhor.
Você tem a responsabilidade de proteger e guiar seu coração. Não permita-se a desistir e desencorajar-se nesta caminhada, busque soluções. Aprender a amar é uma das coisas mais importantes que você fará.

 

            “O instituto do casamento, especialmente a família ali formada, deve ter o amor como o elemento fundamental. Aqui me refiro ao amor de homem e mulher, de amigo, de pai, de mãe, enfim de todo o tipo de amar. A ALIANÇA DE AMOR deve sempre se respaldar pelo respeito, diálogo, compreensão, tolerância e paciência, sendo um exercício diário destas virtudes para fortalecer a sagrada instituição do casamento”. 

 

Autora: Poliana Luisa Sores de Camargos 

                Psicóloga CRP 04/29899